Tradutor / Translate

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Florianópolis é a segunda melhor capital para se viver no país


Além de ser um ótimo destino para os turistas, Florianópolis também foi escolhida como a segunda melhor capital para se viver no Brasil, ficando atrás apenas de Curitiba. 
A informação faz parte do estudo Desafios da Gestão Municipal, feito pela Macroplan Prospectiva Estratégia & Gestão com dados de 2005 e 2015. As avaliações levam em conta indicadores divididos em quatro áreas: educação e cultura, saúde, segurança e saneamento e sustentabilidade.

Confira abaixo o Ranking das 10 melhores capitais para se viver:

1º Curitiba - PR
2° Florianópolis - SC
3° Vitória - ES
4º Belo Horizonte - MG
5° São Paulo - SP
6º Palmas - TO
7° Campo Grande - MS
8° Rio de Janeiro - RJ
9° Goiânia - GO
10º Porto Alegre - RS
Entenda o estudo 
- O levantamento Desafios da Gestão Municipal considera quatro áreas para formar o índice-base do ranking, o IDGM. Os setores englobados são saúde, educação, segurança e infraestrutura e sustentabilidade e a comparação é entre os anos de 2015 e 2005. Os dados usados para fazer o ranking são públicos e divulgados pelos governos federal, estaduais e municipais.
- No caso da saúde, são considerados os itens taxa de mortalidade infantil, percentual de cobertura das equipes de atenção básica, taxa de mortalidade prematura por doenças crônicas não transmissíveis e proporção de nascidos vivos com mães com 7 ou mais consultas de pré-natal.
- Na educação, considera-se os itens Ideb ensino fundamental I (notas das escolas públicas), IDEB ensino fundamental II (notas das escolas públicas), taxa de matrículas em creche sobre o total de crianças entre 0 e 3 anos e a taxa de matrículas em pré-escola sobre o total de crianças entre 4 e 5 anos de idade.
- No caso da segurança, leva-se em conta a taxa de homicídios e a taxa de óbitos no trânsito (por 100 mil habitantes).
- Na infraestrutura e sustentabilidade, considera-se o índice de esgoto tratado, o índice de atendimento de água, a taxa de perdas na distribuição de água e a taxa de cobertura de coleta de lixo domiciliar.
Fonte: http://dc.clicrbs.com.br/sc em 24/04/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário