Tradutor / Translate

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Sapiens Parque, no Norte da Ilha de Santa Catarina, sedia reunião de Embaixadores dos Estados Membros da União Europeia

Pela primeira vez Santa Catarina irá sediar a reunião anual dos Embaixadores dos Estados Membros da União Europeia no Brasil. Na segunda e terça, dias 30 e 31 de maio, o encontro trará para Florianópolis 18 representantes diplomáticos, além do Embaixador da União Europeia no Brasil, João Gomes Cravinho. Organizada pela Delegação da União Europeia no Brasil em parceria com o Governo do Estado, a agenda prevê visitas com foco na inovação.

A recepção aos embaixadores, na segunda-feira, 30, a partir das 9h15, contou com a presença do governador Raimundo Colombo, no Sapiens Parque, no Bairro Canasvieiras, em Florianópolis.

Para o governador Colombo o encontro é “um momento de convivência com todos estes embaixadores para uma troca cultural, promovendo um conhecimento geral sobre o Estado, e também incentivando um maior intercâmbio comercial. Temos muito interesse em ampliar nossos negócios no exterior, vender mais e com isso manter e melhorar o nível do emprego interno. Ampliar presença no mercado externo é um caminho importante, uma grande oportunidade diante da crise que vive o mercado interno brasileiro”, afirma.

Segundo o Embaixador da União Europeia no Brasil, João Gomes Cravinho, a União Europeia vê o Brasil como um “país muito próximo e amigo que se enquadra nas parcerias estratégicas”. E o mercado catarinense ganha atenção especial, com destaque para a área de pesquisa e a inovação. “Santa Catarina é um dos estados brasileiros que mais avançam nessas áreas e por isso existem grandes possibilidades de intensificação da ação bilateral nesse campo vital para o desenvolvimento do estado, do Brasil e de nossas relações bilaterais”, avalia Cravinho.

O governador Colombo também valoriza o foco da reunião na inovação. "Santa Catarina tem pouco mais de 1% do território brasileiro. Aqui, principalmente, é preciso criatividade para garantir produtividade e competitividade. E a inovação é o caminho para isso. Um intercâmbio com estes países vai nos permitir aprimorar ainda mais nossas iniciativas nesta direção”, acrescenta.
Para o secretário de Estado de Assuntos Internacionais, Carlos Adauto Virmond, Santa Catarina tem potencial para se tornar a porta de entrada de investimentos europeus no Brasil. “Estamos muito felizes com a escolha de Santa Catarina pela delegação para sediar este encontro que irá coroar o bom relacionamento que temos com a União Europeia há décadas e abrir-nos pontes entre SC e os Estados Membros do bloco, tanto pelas relações comerciais e pelas cooperações já existentes em diversas áreas, quanto pelos elos culturais devidos aos imigrantes europeus”.

Inovação e cooperação


A reunião terá início durante a visita dos Embaixadores no Sapiens Parque, no Norte de Florianópolis. Como parque de inovação, o Sapiens foi concebido para ser referência em inovação, pesquisa, tecnologia e sustentabilidade. “A decisão do grupo em iniciar este encontro fundamental para as relações internacionais entre Santa Catarina e Europa a partir do Sapiens Parque é um motivo de orgulho e um atestado de que já somos reconhecidos como uma referência de projeto de inovação e empreendedorismo. É resultado de parceria entre governo, setor empresarial, universidades e instituições da sociedade civil”, afirma o diretor executivo do parque, José Eduardo Fiates.

Iniciativas que integram o Programa Catarinense de Inovação (PCI) também serão apresentadas aos embaixadores. Destaque para a construção de 13 Centros de Inovação em diferentes regiões do Estado e o programa Geração TEC. 

Os 13 Centros de Inovação serão construídos nas seguintes cidades: Lages, cuja inauguração será no próximo mês; Jaraguá do Sul, São Bento do Sul, Tubarão, Chapecó e Joaçaba, com obras em torno de 60% concluídas; Itajaí, com 17%, e Blumenau, que está no início das obras; Brusque e Criciúma, que serão licitados em breve; e ainda, Rio do Sul, Florianópolis e Joinville. Os centros abrigarão aceleradoras de empresas, incubadora, laboratórios de pesquisa, de capacitação e de consultoria para novos negócios. São espaços criados para estimular o crescimento e competitividade das empresas catarinenses, unindo as instituições de ensino, empresas e Governo.

Já o Geração TEC é um programa criado em 2011 para a oferta de cursos gratuitos de curta duração, descobrindo talentos para o mundo da tecnologia e fortalecendo as empresas do Estado. Já foram formados 6.156 alunos em mais de 200 turmas.

A Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação (Fapesc) também receberá a visita dos embaixadores. De acordo com o presidente da Fapesc, Sergio Gargioni, em ações conjuntas com a União Europeia, a Fapesc divulgou em abril uma chamada pública pela qual serão apoiadas pesquisas sobre o Zika vírus, além de fechar acordo com o programa Horizonte 2020 para financiamento de pesquisas. “O programa prevê desembolsar, aproximadamente, 80 milhões de euros até 2020 para projetos colaborativos de pesquisa e inovação com países da União Europeia”, explica Gargioni.

Comércio exterior


No comércio exterior, as relações de Santa Catarina com os Estados Membros da União Europeia são significativas. Entre os blocos econômicos, a União Europeia é o principal parceiro comercial do Estado. Mas a balança comercial apresentou um resultado negativo para os catarinenses de R$ 610 milhões no ano passado. Em 2015, foram exportados R$ 1,477 bilhão em produtos para os 28 países do bloco. Já as importações somaram cerca de R$ 2,087 bilhões, número superado apenas pelo volume importado da China. “Vemos na reunião da União Europeia uma grande oportunidade para mostramos os potenciais de Santa Catarina e buscarmos o equilíbrio da balança comercial ao longo dos próximos anos”, diz o secretário Virmond.

A agroindústria domina metade da pauta das exportações, com a venda de fumo, frango, peixe e outras carnes. A venda de máquinas e instrumentos mecânicos e elétricos vem em seguida. Produtos à base de madeira, móveis, automóveis, tratores e autopeças, e produtos químicos também estão os principais produtos vendidos para o bloco. Do lado das importações, maquinários mecânicos e elétricos e derivados, juntos, representam quase 30% do total importado.

terça-feira, 17 de maio de 2016

Imóvel novo? Veja se vale esperar o desfecho do impeachment

Algumas pessoas têm adiado o sonho de comprar a casa própria na expectativa de que a renda irá melhorar se houver impeachment ou que os preços podem cair se a presidente Dilma Rousseff continuar. Mas, se você tem dinheiro guardado para pagar o financiamento, essa não é a melhor estratégia. Comprar o imóvel o quanto antes pode ser mais inteligente.

Uma pesquisa nacional, feita pelo portal imobiliário Viva Real na semana seguinte à aprovação do processo de impeachment na Câmara dos Deputados, mostrou que 45% dos consumidores que procuram imóveis tiveram sua decisão influenciada pela atual situação política. Entre eles, 63% decidiram empurrar a compra mais para frente.

“Era esperado que a resposta fosse essa, porque as pessoas se sentem desprotegidas”, explica Lucas Vargas, CEO do Viva Real. Mas adiar o fechamento do negócio pode ser uma furada, já que, com a demanda em baixa, basta um pouco de paciência para conseguir preços e condições melhores.

“Esse cenário de incertezas não vai mudar imediatamente e, no longo prazo, quando a economia se recuperar, os preços subirão muito”, projeta Vargas.


Preços dos imóveis estão em queda real


O preço dos imóveis subiu apenas 0,53% nos últimos 12 meses até março, segundo o Índice FipeZap, que mostra a variação nos valores médios do metro quadrado de 20 cidades brasileiras. O aumento ficou muito abaixo da inflação medida pelo IPCA, que foi de 9,5% no período, de acordo com o Banco Central. Ou seja, descontando a inflação, houve queda real dos preços de 8,10%.

“O poder de barganha está na mão do comprador e ele deve usar isso a seu favor”, sugere o economista Bruno Oliva, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Ele explica que o preço dos imóveis só deve voltar a subir com força em 2018 ou depois, quando o desemprego cair e a renda voltar a subir. “Diferentemente do mercado financeiro, o mercado imobiliário é como um transatlântico. É lento, demora para mudar de rumo”, diz Oliva.


Antes do impeachment, compradores estão em vantagem


O especialista em crédito imobiliário Marcelo Prata, fundador do Canal do Crédito, diz que o mercado imobiliário é como um cabo de guerra entre compradores e vendedores, e que a incertezas sobre o impeachment favorecem quem está na ponta da demanda. “Ao oferecer um valor mais baixo, o vendedor tende a aceitar a proposta. Ele não sabe o que vai acontecer depois que o processo de impeachment acabar e tem receio de que o comprador desista”, afirma Prata.

Se houver ou não impeachment, esse cenário do mercado imobiliário deve se manter. No entanto, na opinião de Prata, se o vice-presidente Michel Temer assumir o governo, a confiança dos consumidores será retomada em pouco tempo, o que tende a acelerar a compra de imóveis e, consequentemente, o aumento dos preços.

Essa também é a expectativa de Flavio Mary, presidente do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP). “Acreditamos que uma mudança no governo trará um novo ritmo de confiança e o mercado imobiliário tende a se recuperar”, diz. Por outro lado, a melhora na economia significa valorização dos preços. “Quem comprar antes leva vantagem”, acredita.


Não desista por causa das taxas de juros altas


Mesmo se houver impeachment, as taxas de juros para financiar imóveis devem permanecer altas por, no mínimo, alguns meses, segundo a expectativa dos especialistas. Desde o ano passado, as recorrentes elevações nos juros do crédito imobiliário são resultado do aumento dos saques da poupança, principal fonte de recursos dos bancos para o financiamento de construções e compras de imóveis.

No entanto, não há motivos para se assustar demais com os juros. “Não faz sentido se prender às taxas no longo prazo se os valores baixos dos imóveis compensam os juros altos”, avalia Vargas, do Viva Real. Ele recomenda dar entradas maiores, se for possível, para amenizar o impacto dos juros elevados.

Para Oliva, da Fipe, só quem compra o imóvel para investir deve esperar as taxas de juros baixarem. Se a intenção for comprar o imóvel para moradia e você encontrou uma casa com preço bom, vá em frente. “Mais adiante, dá para fazer a portabilidade. Se os juros caírem, é só transferir o financiamento para um banco que pratique taxas menores ou negociar com o mesmo banco”, sugere Oliva.

O economista lembra que, neste momento de aumento na taxa de desemprego, só quem tem alguma reserva financeira deve entrar no financiamento. Se houver algum risco de demissão, que possa levá-lo a desonrar o pagamento das prestações, é melhor esperar.

Publicado originalmente na seção Seu Dinheiro, da Revista Exame  

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Foto feita na Cachoeira do Bom Jesus, em Florianópolis, ganha prêmio em Nova York

Uma brincadeira pirotécnica feita com uma esponja de aço em chamas foi o tema da fotografia feita pelo carioca Hermes Bezerra, 44 anos, morador da capital catarinense há 21 anos, que venceu um concurso promovido em Nova York, nos Estados Unidos

A imagem foi capturada em agosto de 2015 num local próximo à casa onde Hermes vive com a mulher e dois filhos na bela Praia da Cachoeira do Bom Jesus, no Norte da Ilha de Santa Catarina, e concorreu com outros cinco finalistas: da Eslovênia, Estados Unidos, Egito, Índia e Inglaterra. O concurso, Duggal Capture The Moment Photo Contest 2016, é promovido pela empresa americana de laboratórios fotográficos e impressão de imagens, Duggal Visual Solutions. Pela conquista Hermes Bezerra receberá U$500 em prêmios, um certificado, sua foto impressa em alta resolução, e um lugar na prestigiada galeria da Duggal, em Nova York, para expor sua fotografia vencedora.

Este foi o sétimo prêmio da carreira de 23 anos. Além de fotojornalista no Diário Catarinense, Hermes trabalhou também com publicidade e gastronomia mas considera que fotografia documental é seu forte. Sobre a fotografia premiada diz: "Saímos pra brincar, eu meu irmão, minha sobrinha e filho, daí levei meu tripé e câmara pra fazer umas fotos, mas nada já pensando no concurso, ainda nem sabia sobre ele", e conclui: "saiu o resultado e eu fiquei muito surpreso, nem lembrava mais, não estava esperando".