Tradutor / Translate

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Novo shopping vai trazer modernidade e desenvolvimento para os Ingleses, no Norte da Ilha de Santa Catarina

Com o início das obras previsto ainda para o mês de abril, o novo empreendimento vai ocupar a área conhecida como Centrinho dos Ingleses. 

O novo shopping do Grupo Koch e JDC, batizado de Centrinho dos Ingleses, terá seis torres, 170 lojas, três salas de cinema, praça de alimentação com vista para o mar, estacionamento rotativo, espaço business e escada rolante. Também estão previstos no projeto um apart hotel com 327 apartamentos, operado pela rede Slaviero, e um heliponto. Serão mais de 50 mil m² de construção, próximos à SC-403, o que vai facilitar o acesso ao shopping .

O prazo para finalizar a obra é de quatro anos, e vai ocupar e revitalizar a área conhecida pelo mesmo nome, Centrinho dos Ingleses além de gerar cerca de 1,3 mil empregos diretos e indiretos depois de concluído.

A construção é uma parceria entre o arquiteto Júlio de David da JCD Arquitetos Associados Ltda e Vilmar Campana da CVS Apoio Administrativo Ltda, e será executada através do sistema de “construção a preço real sob a forma de cooperativa”. Nessa modalidade as partes se unem pelo objetivo comum de empreender a construção de imóvel, visando um investimento altamente rentável, ou mesmo a propriedade de unidade habitacional de alta qualidade.

O Grupo Koch e a JCD são parceiras na concepção e execução. Apesar de ainda não estar lançado, o empreendimento já está com 60% das lojas locadas.

Mais informações sobre a comercialização do Centrinho dos Ingleses, podem ser obtidas na Diego Lomba Imóveis, pelo telefone (48) 3284-5010, ou pelo e-mail vendas@diegolombaimoveis.com.br

quarta-feira, 13 de abril de 2016

A importância da contratação do corretor de imóveis



Com certeza você já deve ter se questionado sobre a importância de um corretor de imóveis, afinal muitos consideram que comprar, vender ou alugar um imóvel seja uma tarefa fácil. Mas isso vale a pena? Por que correr o risco de ter problemas ou cair em armadilhas, se existe um profissional preparado para intermediar as operações imobiliárias e dar a segurança que o comprador e vendedor merecem.

A figura do corretor de imóveis surgiu no século XX, durante o governo de Getúlio Vargas, quando foram criadas as primeiras leis trabalhistas. Hoje, ela é regulamentada e o exercício ilegal da profissão é crime.

Para entender mais sobre a importância do corretor de imóveis no mercado, Ana Paula Ribas, dá detalhes de como funciona o trabalho e o que as pessoas devem priorizar em seus negócios. Confira:

Qual é a função de um corretor de imóveis?


O profissional deve ser registrado junto ao Conselho Regional de Corretores de Imóveis (CRECI), pois será especializado e capacitado para divulgar e negociar a venda ou locação de imóveis. O técnico precisa ter conhecimento da região onde atua e experiência para fazer a avaliação dos imóveis, fornecendo condições e valores de mercado atualizados, para que o cliente e o corretor não criem expectativas na tramitação do negócio.

É necessário ter conhecimento de documentação e legislação imobiliária, pois o papel do corretor é primordial para que seja preservado o sigilo das negociações, exercendo uma análise do possível interessado por meio de uma triagem e assim conhecendo as necessidades e o perfil de ambos.

Qual é a importância de fazer negócios com uma imobiliária?


É necessário avaliar se a imobiliária possui o registro junto ao CRECI, em conformidade jurídica, ou seja, deve estar constituída formalmente e inscrita no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). Além disso, é conveniente o espaço físico para os atendimentos aos clientes, proporcionando credibilidade para ambos.

Um imóvel cadastrado em uma imobiliária possui boa visibilidade e a sua apresentação geralmente ocorre em um ambiente propício, em salas especificas de atendimento, transmitindo seriedade, conforto e comprometimento com o cliente.

O respaldo jurídico também é um dos pontos fortes de uma imobiliária, que acompanhará todas as etapas da comercialização; assim, o cliente sente-se mais confiante em fornecer seus dados com segurança.

Por que ter o CRECI?


O Conselho Regional de Corretores de Imóveis (CRECI) é o órgão que garante o registro do profissional ao corretor imobiliário. Esse Conselho é responsável por fazer a fiscalização tanto dos corretores quanto das imobiliárias e serve de apoio aos locadores, locatários, compradores e vendedores de imóveis. O profissional de corretagem deve, primeiramente, fazer um curso técnico profissionalizante, denominado Técnico em Transações Imobiliárias (TTI), que o certifica e o torna apto a exercer a função de corretor de imóveis.

O exercício ilegal da profissão, sem o registro junto ao órgão, trata-se de uma contravenção.

E imobiliárias e corretores sem CRECI? Como o consumidor deve fazer?


Os consumidores devem ficar atentos e certificar por meio de consulta no site ou telefone do próprio Conselho (CRECI) se o vendedor possui o registro junto ao Conselho e, se está em dia em relação ao pagamento da anuidade. É simples; basta solicitar a apresentação da carteirinha de corretor, emitida pela própria instituição.

A carteirinha possui dados pessoais, foto e ano vigente, bem como sua validade pelo período de 365 dias (1 ano). Caso apresente alguma irregularidade na consulta, o cliente deverá atentar-se por se tratar de uma pessoa não autorizada legalmente para efetivar a transação. O cliente, por meio do site, poderá denunciar tanto o suposto corretor, quanto a imobiliária que o apresentou.

Quais são os riscos de comprar imóveis sem profissionais especializados?


A falta de experiência no mercado imobiliário pode colocar a negociação em sérios riscos. A contratação de uma imobiliária ou corretor credenciado proporciona segurança na venda do imóvel e segurança de ambas as partes.

É de extrema importância a negociação ocorrer com um profissional especializado que sabe como proceder, evitando prejuízos ou transtornos.

Por falta de conhecimento e legitimidade, a comercialização do imóvel, sem a figura do Corretor de Imóveis, e sim por intermédio de um pseudocorretor, poderá tornar-se um caos irreversível, seja pela apresentação da localização do imóvel erradamente, documentação em inconformidade, ausência de respaldo judicial, negociação sem fundamentos legais e as transações financeiras.

Por que comprar/investir em imóveis?


Um imóvel é um patrimônio físico e se for bem adquirido e investido pode ser fonte de renda vitalícia, caso o dono opte pela locação, já que as pessoas sempre precisarão de moradia e espaços comerciais.

O imóvel por si mantém seu valor e muitas vezes valoriza mais do que a simples correção do dinheiro investido. São considerados investimentos de baixo risco.

Um dos principais fatores de sucesso ao investir em imóveis é reconhecer o momento certo de comprar, analisando as oportunidades do mercado. A melhor forma de saber se um imóvel está sendo oferecido a um bom preço é observar o valor médio de outros imóveis na região.

A localização do imóvel também é extremamente importante. É necessário analisar as regiões que possuem um potencial de valorização maior do que outras. A infraestrutura local e possíveis investimentos na região são pontos relevantes no momento da escolha de onde investir.

Além disso, a finalidade do imóvel precisa ser compatível com a sua localização. Um imóvel residencial deve estar localizado em uma área residencial, e o comercial deve, preferencialmente, estar em uma área comercial.

Redação Agência IN - Publicado originalmente em Orientação ao Consumidor

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Como declarar venda de imóveis no Imposto de Renda

Além de informar a compra e a posse de um imóvel na Declaração de Imposto de Renda, o contribuinte também deve informar ao Fisco a venda ou doação do bem quando ele deixar de fazer parte do seu patrimônio.

Veja como declarar a compra e a posse de imóveis no IR 2016

Da mesma forma que a posse de imóveis de valor superior a 300 mil reais obriga o contribuinte a declarar o IR, ainda que ele não se encaixe nas outras regras de obrigatoriedade de declaração, quem obteve lucro com a venda do imóvel em 2015 também está obrigado a declarar, mesmo que a operação seja isenta de Imposto de Renda (veja mais detalhes sobre as regras de isenção no final da matéria).

Imóvel vendido em 2015


O contribuinte que vendeu o imóvel no ano passado pode preencher o Programa de Ganhos de Capital (GCap) ao concluir a venda, mesmo que a operação seja isenta de Imposto de Renda ou tenha gerado prejuízo. O programa auxiliar pode ser baixado no site da Receita.

Joaquim Adir, supervidor nacional do Imposto de Renda da Receita Federal, ressalta que, apesar de opcional, o preenchimento do programa é recomendável. "O GCap permite calcular o tributo devido sobre o lucro obtido na venda do imóvel e, posteriormente, importar os dados diretamente para a declaração do Imposto de Renda".

Se a venda gerar algum ganho de capital (lucro) o preenchimento do GCap é obrigatório e o tributo sobre o lucro obtido, de 15%, deve ser pago até o último dia útil do mês posterior ao da transação.

Caso não tenha recolhido o imposto no prazo certo, o contribuinte deve preencher o programa GCap para calcular o tributo devido e, depois, baixar o programa Sicalc, que irá emitir o boleto para pagamento do imposto (Darf) já com o acréscimo de juros e multas.

No momento de preencher a Declaração de Ajuste Anual, basta importar as informações incluídas no GCap para o programa gerador da declaração na aba “Ganhos de Capital”, ao clicar no item “Importação GCap 2015” (veja o passo a passo).

 Ao incluir o arquivo no programa gerador, o lucro obtido na operação será inserido de forma automática na ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”.

Se a operação for isenta de Imposto de Renda, o valor será transferido, também de forma automática, para a ficha “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”.

O contribuinte deverá também excluir o imóvel da ficha “Bens e Direitos”.  Para isso, abra a ficha, selecione o imóvel que já estava declarado, e clique em editar, no canto inferior direito da tela. Depois, basta repetir no campo "Situação em 31/12/2014” o valor do imóvel que já havia sido informado na declaração anterior e zerar o campo "Situação em 31/12/2015”.

Na coluna “Discriminação”, informe que a venda foi realizada, incluindo o nome e CPF ou CNPJ do comprador e o valor pelo qual o imóvel foi vendido.

Se o comprador tiver adquirido o imóvel por meio de financiamento, essa informação e o nome do banco que concedeu o crédito para o pagamento do imóvel também podem ser incluídos no campo.

Caso o contribuinte tenha comprado e vendido o imóvel em 2015, as informações sobre a unidade não devem ser inseridas na ficha “Bens e Direitos”.

Venda do imóvel financiado


O lucro obtido na venda de um imóvel em 2015, cujo financiamento não foi quitado, deve ser apurado de acordo com os valores efetivamente pagos pelo contribuinte no financiamento. Ou seja, se o vendedor quitou metade do valor do financiamento do bem, o contribuinte deverá declarar apenas a venda desse valor.

O lucro que será informado no GCap também deve ser proporcional à essa fatia já paga do imóvel, caso a venda da unidade não seja isenta do Imposto de Renda.

Após realizar esse cálculo, o lucro da transação deve ser declarado pelo contribuinte seguindo o mesmo procedimento do tópico anterior. O imóvel também deve ser excluído da ficha “Bens e Direitos”.

Venda de imóvel com recebimento do pagamento em parcelas


Se os pagamentos pela venda do imóvel no ano passado foram ou ainda estão sendo recebidos de forma parcelada, o vendedor deve preencher o GCap com a data do contrato e o valor total da venda, com a ressalva de que os valores estão sendo recebidos a prazo.

Dessa forma, o programa auxiliar da Receita irá emitir Darfs proporcionais aos valores recebidos pelo contribuinte. Ou seja, os impostos a serem pagos também serão proporcionais às parcelas recebidas.

Ao receber cada pagamento, o vendedor terá até o último dia útil do mês posterior à data de quitação da parcela para recolher o Imposto de Renda proporcional ao valor.

Se o vendedor continuar a receber os pagamentos neste ano, o contribuinte deve informar no GCap que o restante do valor será recebido em 2016.

Imóveis doados


A doação de um imóvel não gera lucro ao proprietário e é isenta de Imposto de Renda. Apenas quem recebe o imóvel doado pode ter de pagar um tributo estadual, o Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doações (ITCMD ou ITD), cuja sigla, limite de isenção e valor variam conforme o estado.

O imóvel doado em 2015 deve ser informado pelo contribuinte na ficha “Bens e Direitos”. Na linha referente ao imóvel, o doador deve informar a transferência e incluir os dados do beneficiário.

No campo “Situação em 31/12/2014”, repita o preço de aquisição do imóvel, informado na declaração anterior, e zere a coluna “Situação em 31/12/2015”.

A transferência do bem também deve ser informada na ficha “Doações Efetuadas”. O contribuinte deve preencher o campo “Discriminação” com os dados do beneficiado e o valor do imóvel doado.

Isenção do imposto sobre a venda


O Imposto de Renda que incide sobre o lucro da venda de imóveis é de 15%. No entanto, a operação é isenta do pagamento do pagamento do imposto se o contribuinte vender seu único imóvel por valor igual ou inferior a 440 mil reais, desde que não tenha vendido outra unidade nos últimos cinco anos.

Também é isento o ganho de capital obtido na venda caso o imóvel tenha sido adquirido até 1969. Imóveis comprados antes de 1988 não têm isenção, mas contam com um percentual fixo de redução sobre o ganho de capital, que varia de acordo com o ano de aquisição ou incorporação do imóvel.

Um imóvel comprado em 1988, por exemplo, conta com um fator de redução de 5% sobre o imposto que incide sobre o ganho de capital; para imóveis comprados em 1980 o fator é de 45%; e para imóveis comprados em 1970 o fator redutor é de 95% (confira os percentuais de redução válidos para cada ano no item 609 do Perguntão da Receita Federal).

O contribuinte também não paga tributos sobre a transação caso o lucro da venda do imóvel seja usado para a compra de outra unidade residencial situada no Brasil no prazo de 180 dias.

Nesse caso, é possível utilizar todo o dinheiro da venda para a compra de um ou mais imóveis residenciais e obter isenção total do imposto sobre os valores ou utilizar apenas parte do dinheiro obtido na venda do imóvel para essa finalidade e pagar a alíquota proporcional ao valor restante.

É necessário apontar a opção na hora de preencher o GCap para utilizar o benefício. O benefício pode ser usado apenas uma vez a cada cinco anos.

Vale ressaltar que, caso não utilize o benefício fiscal ou parte dele após os 180 dias, o contribuinte deve pagar o imposto sobre o ganho de capital, acrescido de juros de mora, calculados a partir do segundo mês subsequente ao do recebimento do valor do imóvel vendido. Além disso,  se o imposto não for pago em até 210 dias contados da data da celebração do contrato, também é acrescida uma multa, de mora ou de ofício, calculada a partir do segundo mês seguinte ao do recebimento do valor do imóvel vendido.

Publicado originalmente na coluna SEU DINHEIRO da Revista Exame 

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Vem aí o Jurerê Jazz Festival 2016

Evento que acontecerá de 20 de abril a 1º de maio trará para Florianópolis  22 shows em 12 dias de muita música. Confira a programação no final do post.

Atualmente um dos mais importantes eventos de música do país, o Jurerê Jazz Festival voltará a agitar a cena cultural de Florianópolis entre os dias 20 de abril e 1º de maio com shows de grandes nomes nacionais e internacionais em oito locais diferentes da cidade. Das 22 apresentações, 15 serão gratuitas e abertas ao público. Serão shows de jazz, blues, samba, bossa nova, MPB, instrumental, eletrônico dentre outros estilos. Os organizadores esperam um público em torno de 50 mil pessoas.

Locais das apresentações

Os shows acontecem principalmente em Jurerê Internacional: no Jurerê Open Shopping  (área coberta na Plataforma Zero), P12, Donna, Jurê, Second e IL Campanario Villaggio Resort. Vários pontos da cidade, como os terminais de transporte coletivo e unidades da APAE, também terão apresentações livres. Outros shows acontecerão nos teatros do CIC e TAC.

Paralelamente ao festival haverá duas edições da Feijoada com Samba Jazz e Chorinho no Jurê, com craques dos dois estilos.

O Jurerê Jazz Festival

O festival de música que acontece uma vez por ano em Florianópolis e integra a programação permanente do Jurerê Jazz, tem entre seus objetivos principais aumentar a oferta de produtos culturais e shows na cidade aproveitando a vinda de artistas internacionais ao Brasil, dar visibilidade para os artistas locais, democratizar o acesso à música através das apresentações gratuitas e atrair e fomentar o turismo cultural.

Desde a primeira edição, em 2011, o Jurerê Jazz Festival vem crescendo em qualidade e ampliando sua programação. “Minha meta não é que seja o maior festival do Brasil, mas que tenha cada vez mais qualidade, atrações de peso e seja reconhecido por respeitar os artistas e o público”, afirma Abel Silva, produtor cultural e curador do festival.

O Jurerê Jazz Festival é patrocinado pela Prefeitura Municipal de Florianópolis e pela Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes através da Lei Municipal de Incentivo à Cultura. O evento tem ainda o patrocínio de Jurerê Internacional, Sekai Mitsubishi, Engie, Tractebel Energia, Komport Comercial Importadora. Apoio cultural: Hospital Baía Sul, Clínica Imagem, Grupo Novo Brasil, Eletrobrás/Eletrosul, Ministério de Minas e Energia e Governo Federal. Promoção Itapema FM.

Programação:

20.04 a 01.05
JURERÊ JAZZ FESTIVAL 2016
20.04 – quarta
20:00:00
Souvenirs
IL Campanario
21.04 – quinta
19:00:00
Fernando Bailão
Jurerê Open Shopping
20:00:00
Rivo Trio + Gabriel Grossi
Jurerê Open Shopping
22.04 – sexta
18:00:00
Jurerê Open Shopping
20:00:00
Moods Convida Emilia Carmona
Jurerê Open Shopping
22:00:00
Phillippe Cohen Solal (Gotan Project)
DONNA
23.04 – sábado
13:00:00
Feijoada com Samba Jazz e Chorinho
Jure
15:00:00
No Dorso do Rinoceronte
Jurere Open Shopping
17:00:00
TBZ Blues
Jurerê Open Shopping
18:30:00
Cristiano Ferreira Convida Solon Fishbone
Jurerê Open Shopping
20:00:00
Nuno Mindelis
Jurerê Open Shopping
24.04 – domingo
17:00:00
Souvenirs
DONNA
26.04 – terça
19:30:00
DUO FINLANDIA
TAC
27.04 – quarta
21:00:00
Leny Andrade e Banda Sambop
CIC
28.04 – quinta
20:00:00
JAM SESSION
IL Campanario
29.04 – sexta
19:00:00
Coletivo T.A.E
Jurerê Open Shopping
20:00:00
Carlos Malta e Pife Muderno
Jurerê Open Shopping
23:00:00
Marcelinho da Lua
Second
30.04 – sábado
13:00:00
Feijoada com Samba Jazz e Chorinho
Jure
19:00:00
Ricardo Capraro Quinteto
Jurerê Open Shopping
20:00:00
The Ipanemas
Jurerê Open Shopping
23:00:00
Marcelinho da Lua
Second
01.05 – domingo
14:00:00
BossaCucaNova Convida MONOBLOCO
P12

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Quer levar um elefante pra casa?

Obras da Elephant Parade Floripa, que já receberam lances prévios de outras cidades brasileiras e de fora do país, vão a leilão no sábado, 2 de abril, em Jurerê Internacional


Após 4 meses em exposição pelas ruas de Florianópolis, os 80 elefantes que fizeram parte da Elephant Parade Floripa 2015 vão a leilão no sábado, 2 de abril. O evento será realizado no Jurerê Sports Center – Centro Esportivo e Artísticos, em Jurerê Internacional, a partir das 19h30min.

As obras da primeira Elephant Parade da América Latina estão atraindo interessados de todo o Brasil e também de outras parte do mundo. Durante o leilão online, que ficará disponível até o próximo dia 2, já foram recebidos lances prévios de interessados de Santa Catarina e também de outros estados, como Pernambuco e São Paulo, cada um com três lances em elefantes diferentes. Do exterior, a exposição já recebeu lances da Inglaterra e Holanda.

Segundo Giovane Pasa, idealizador do evento, a expectativa da organização é que pelo menos metade das obras sejam vendidas durante o leilão. “Estamos confiantes que teremos bons resultados durante o leilão online e no encerramento que se dará no dia 2 de abril 2016 com o leilão beneficente presencial das esculturas”, completa o organizador.

Parte dos recursos arrecadados com a venda de cada obra será distribuída entre  os artistas; para a preservação dos elefantes e para filantropia local. Interessados em adquirir uma das obras, podem acessar www.elephantparade.com.br/leilao e dar o seu lance.

Serviço

O que: Leilão beneficente da Elephant Parade Floripa
Quando: 2 de abril de 2016, às 19h30
Onde: Leilão Online - www.elephantparade.com.br/leilao Leilão Presencial - Jurerê Sports Center (JUSC). Avenida dos Dourados, 481 - Jurerê Internacional
Lance mínimo: R$ 7.000,00 reais