Tradutor / Translate

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Saiba como fazer financiamento de terreno

Para quem vai começar a construção da casa do zero, o primeiro passo é comprar um terreno e existem linhas de crédito para isso



Na hora de comprar o imóvel, a opção mais comum é adquirir uma casa ou apartamento que já estão prontos ou em construção. Porém, há quem prefira começar o projeto dos sonhos do zero. Primeiro para deixar a casa exatamente do jeito que planejou. Segundo porque, com dedicação de tempo e paciência, pode sair mais em conta para o bolso. O primeiro passo é comprar um lote. Para isso, é possível entrar em um financiamento de terreno.

Na Caixa Econômica Federal, na modalidade Carta de Crédito SBPE, é possível financiar terrenos com valor a partir de R$ 200 mil e o valor mínimo de financiamento é de R$ 100 mil, o equivalente a 50% do preço. O prazo para pagar é de 18 anos ou 216 meses. As parcelas não poderão ultrapassar o limite de 30% da renda familiar.

Em uma simulação no site da Caixa, para um imóvel de R$ 200 mil na cidade de São Paulo e a renda de R$ 6 mil, o prazo máximo de financiamento é de 216 meses e a cota máxima de financiamento é de 60%. O valor da entrada é de R$ 80 mil e o preço a ser financiado é de R$ 120 mil. Os juros nominais são de 10,93% ao ano mais TR, enquanto os juros efetivos são de 11,50% ao ano mais TR. A primeira prestação será de R$ 1.689,29 e a última, de R$ 585,61.

Se o valor do imóvel for menor que R$ 200 mil, existe outra modalidade de financiamento, que é o Crédito Imóvel Próprio. Nesta linha, o pagamento pode ser feito em 240 meses. O valor contratado é depositado em conta corrente aberta na Caixa e não há destinação específica. Neste caso, o cliente que tiver um imóvel quitado ou financiado pelo banco poderá financiar até 60% do preço do seu imóvel e os percentuais de financiamento permitidos variam de acordo com o tipo de imóvel, que pode ser residencial, comercial, rural ou terreno. Para os que contam com um imóvel financiado na Caixa, o saldo residual não pode ser superior a 30% do valor do novo empréstimo.

Há ainda uma terceira possibilidade, esta para quem deseja financiar não apenas a compra do terreno, como também a construção. Neste tipo de contratação, o cliente precisa ter o projeto arquitetônico do imóvel, desenvolvido por um arquiteto ou engenheiro. A partir dele, será desenvolvido o cronograma da obra, que vai auxiliar o acompanhamento e liberação das etapas seguintes. Neste caso, o valor do financiamento é liberado de acordo com a evolução das etapas do cronograma previamente elaborado.

As taxas de juros são diferentes em relação às taxas para a compra da casa que já está pronta. Em geral, elas são um pouco mais altas. Numa mesma simulação, mas para a aquisição de um imóvel novo de R$ 200 mil na cidade de São Paulo com renda de R$ 6 mil, os juros nominais são de 8,16% ao ano mais TR e os efetivos são de 8,47% ao ano mais TR. Mesmo que a diferença não seja tão grande, é preciso levar em consideração que em um financiamento longo, ao final, esse montante pode fazer a diferença.

Outras características do financiamento de um terreno é que ele deve estar localizado em área urbana ou em lugares com infraestrutura e que não existe um valor máximo para este tipo de financiamento, já que o montante será calculado com base na capacidade de pagamento. “Para conseguir o financiamento, é preciso atender a todos os requisitos do banco e um deles é que seja um terreno de fato e de direito, não pode ser um pedaço de terra, tem que estar com a documentação regularizada. Para saber se está tudo certo com o terreno, é possível pegar a certidão de propriedade no cartório”, explicou Elísio Cruz Júnior, presidente do Sindicato de Habitação de Pernambuco (Secovi-PE).

Ainda é comum que a aprovação do financiamento aconteça de forma mais rápida e eficaz. Para conseguir a liberação do financiamento de um imóvel pronto, ele precisa passar por uma vistoria e estar em condições para servir como garantia do financiamento. Já o terreno não tem muito o que analisar, já que ainda não há construção. Ou seja, precisa que a documentação esteja em ordem.

Alternativa


Porém, antes de assinar o contrato de financiamento com o banco, pesquise se a própria construtora não disponibiliza algum tipo de financiamento do terreno. Essa forma de pagamento pode ser mais vantajosa e pesar menos no bolso. “Às vezes é preciso avaliar a forma de financiamento diretamente com a construtora. Muitas vezes é possível comprar um lote em até 60 parcelas mensais fixas ou em 120 meses com o valor sendo corrigido pelo IGP-M, o que torna mais barato porque o financiamento no banco vai ter a taxa de juros mais alta”, ressaltou Elísio.

                                                                                              
Publicado originalmente no site ZAP em Casa

Saiba como fazer financiamento de terreno

Para quem vai começar a construção da casa do zero, o primeiro passo é comprar um terreno e existem linhas de crédito para isso



Na hora de comprar o imóvel, a opção mais comum é adquirir uma casa ou apartamento que já estão prontos ou em construção. Porém, há quem prefira começar o projeto dos sonhos do zero. Primeiro para deixar a casa exatamente do jeito que planejou. Segundo porque, com dedicação de tempo e paciência, pode sair mais em conta para o bolso. O primeiro passo é comprar um lote. Para isso, é possível entrar em um financiamento de terreno.

Na Caixa Econômica Federal, na modalidade Carta de Crédito SBPE, é possível financiar terrenos com valor a partir de R$ 200 mil e o valor mínimo de financiamento é de R$ 100 mil, o equivalente a 50% do preço. O prazo para pagar é de 18 anos ou 216 meses. As parcelas não poderão ultrapassar o limite de 30% da renda familiar.

Em uma simulação no site da Caixa, para um imóvel de R$ 200 mil na cidade de São Paulo e a renda de R$ 6 mil, o prazo máximo de financiamento é de 216 meses e a cota máxima de financiamento é de 60%. O valor da entrada é de R$ 80 mil e o preço a ser financiado é de R$ 120 mil. Os juros nominais são de 10,93% ao ano mais TR, enquanto os juros efetivos são de 11,50% ao ano mais TR. A primeira prestação será de R$ 1.689,29 e a última, de R$ 585,61.

Se o valor do imóvel for menor que R$ 200 mil, existe outra modalidade de financiamento, que é o Crédito Imóvel Próprio. Nesta linha, o pagamento pode ser feito em 240 meses. O valor contratado é depositado em conta corrente aberta na Caixa e não há destinação específica. Neste caso, o cliente que tiver um imóvel quitado ou financiado pelo banco poderá financiar até 60% do preço do seu imóvel e os percentuais de financiamento permitidos variam de acordo com o tipo de imóvel, que pode ser residencial, comercial, rural ou terreno. Para os que contam com um imóvel financiado na Caixa, o saldo residual não pode ser superior a 30% do valor do novo empréstimo.

Há ainda uma terceira possibilidade, esta para quem deseja financiar não apenas a compra do terreno, como também a construção. Neste tipo de contratação, o cliente precisa ter o projeto arquitetônico do imóvel, desenvolvido por um arquiteto ou engenheiro. A partir dele, será desenvolvido o cronograma da obra, que vai auxiliar o acompanhamento e liberação das etapas seguintes. Neste caso, o valor do financiamento é liberado de acordo com a evolução das etapas do cronograma previamente elaborado.

As taxas de juros são diferentes em relação às taxas para a compra da casa que já está pronta. Em geral, elas são um pouco mais altas. Numa mesma simulação, mas para a aquisição de um imóvel novo de R$ 200 mil na cidade de São Paulo com renda de R$ 6 mil, os juros nominais são de 8,16% ao ano mais TR e os efetivos são de 8,47% ao ano mais TR. Mesmo que a diferença não seja tão grande, é preciso levar em consideração que em um financiamento longo, ao final, esse montante pode fazer a diferença.

Outras características do financiamento de um terreno é que ele deve estar localizado em área urbana ou em lugares com infraestrutura e que não existe um valor máximo para este tipo de financiamento, já que o montante será calculado com base na capacidade de pagamento. “Para conseguir o financiamento, é preciso atender a todos os requisitos do banco e um deles é que seja um terreno de fato e de direito, não pode ser um pedaço de terra, tem que estar com a documentação regularizada. Para saber se está tudo certo com o terreno, é possível pegar a certidão de propriedade no cartório”, explicou Elísio Cruz Júnior, presidente do Sindicato de Habitação de Pernambuco (Secovi-PE).

Ainda é comum que a aprovação do financiamento aconteça de forma mais rápida e eficaz. Para conseguir a liberação do financiamento de um imóvel pronto, ele precisa passar por uma vistoria e estar em condições para servir como garantia do financiamento. Já o terreno não tem muito o que analisar, já que ainda não há construção. Ou seja, precisa que a documentação esteja em ordem.

Alternativa


Porém, antes de assinar o contrato de financiamento com o banco, pesquise se a própria construtora não disponibiliza algum tipo de financiamento do terreno. Essa forma de pagamento pode ser mais vantajosa e pesar menos no bolso. “Às vezes é preciso avaliar a forma de financiamento diretamente com a construtora. Muitas vezes é possível comprar um lote em até 60 parcelas mensais fixas ou em 120 meses com o valor sendo corrigido pelo IGP-M, o que torna mais barato porque o financiamento no banco vai ter a taxa de juros mais alta”, ressaltou Elísio.

                                                                                              
Publicado originalmente no site ZAP em Casa

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Três cidades de SC estão entre as 10 mais visitadas a lazer por estrangeiros

Ranking da Demanda Turística Internacional foi publicado na quarta (20 de julho). Florianópolis, Bombinhas e Balneário Camboriú ocupam 2º, 6º e 9º lugares.

Florianópolis. Foto: Carolina Lopes/G1
O Ministério do Turismo divulgou nesta semana um ranking que mostra que três cidades catarinenses estão entre os dez principais destinos escolhidos para turismo de lazer por estrangeiros em 2015. O Brasil recebeu 6,3 milhões de turistas estrangeiros no ano passado.
Conforme a Demanda Turística Internacional, Florianópolis é o segundo destino mais buscados por estrangeiros no país, com 18,8%, atrás apenas do Rio de Janeiro, com 32,6%, e à frente de cidades como Foz do Iguaçu (PR) e São Paulo.
Em sexto lugar está Bombinhas, com 7,6%. É a primeira vez em 18 anos que a cidade do Litoral Norte aparece nesta listagem. O nono destino turístico mais escolhido por estrangeiros é Balneário Camboriú, com 4,1%.
Ainda segundo o Ministério do Turismo, os argentinos foram os que mais visitaram o Brasil, com de 2 milhões de turistas. Isso representa um aumento de 19,2% com relação 2014. Conforme o ministério, isso explica o aumento de cidades do Sul no ranking, já que as cidades são próximas à fronteira sul.
As praias do país foram o destino preferido para 69,4% dos turistas estrangeiros. Ao todo, 95,5% dos turistas afirmaram devem retornar ao país. A pesquisa entrevistou 35.133 turistas estrangeiros.
A lista completa de Demanda Turística Internacional está disponível no site do Ministério do Turismo.
(G1 Santa Catarina, 23/07/2016))

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Florianópolis no inverno: o que fazer, o que visitar, o que comer

Visitar a capital catarinense no inverno é conhecer uma cidade de atrativos que vão além da previsão do tempo. São museus, casarios históricos, frutos do mar para se fartar, mais de 30 trilhas e um sem-fim de paisagens para encher o álbum de fotos e a memória. Com o sol bem menos impiedoso, basta se proteger do famoso vento “suli” e descobrir a ilha em sua versão mais autêntica, sem tantos turistas por perto.

Considerando os atrativos e as características dessa época do ano, veja um roteiro com algumas coisas o que não se pode perder ao visitar a ilha. E, caso fique aquela sensação de “quero mais”, sempre haverá o verão. Confira as dicas:

História


Para aplacar logo a ânsia de ver o mar, comer um bom camarão e conhecer um pouco da cultura local, pegue a SC-401 e rume para o Norte, em direção a Santo Antônio de Lisboa, a 15 km do Centro. A primeira parada é na singela igreja de Nossa Senhora das Necessidades (foto), de frente para o mar da Baía Norte. Cheia de detalhes do período Barroco, foi construída em meados do século XVIII e é tombada pelo município e pelo estado.

O povoado é o mais antigo de Desterro, como era chamada a Ilha de Santa Catarina.

Vale passear sem pressa pelas ruas de Santo Antônio de Lisboa e apreciar as lojinhas de artesanato local – é possível encontrar rendeiras trançando as mãos com habilidade, mantendo viva uma tradição que passa de mãe para filha. Ao longe é possível ver a ponte Hercílio Luz. Depois de uma caminhada pela praça e pela orla, vale parar em um dos restaurantes que ficam de frente para a baía e se deliciar com os frutos do mar fresquinhos, muitos deles pescados ali mesmo.

Depois do almoço, percorrer a pé o Centro da capital é uma boa pedida. Vale conhecer a “velha figueira” da Praça XV, transplantada para o local em 1891 - e que dá nome ao Figueirense, um dos principais times da cidade. Fica em frente ao largo da Catedral Metropolitana. Dali, vá conhecer o Palácio Rosado, que abriga o museu Cruz e Souza. Erguido entre 1750 e 1765, o local foi residência dos governadores até 1954.

É bom reservar um tempo para conhecer o Forte Santana, onde funciona o Museu de Armas Major Lara Ribas, aberto de terça a domingo das 9 às 17h, com entrada gratuita. Fica bem perto da Ponte Hercílio Luz, onde o pôr do sol rende belas fotos. Há anos a ponte está fechada para visitação. Atualmente, passa por uma reforma.

No Largo da Alfândega, o Mercado Público de Florianópolis é um clássico para a happy hour. É o tempo de aguardar a hora do rush passar para então cruzar a ponte Colombo Sales rumo ao bairro de Coqueiros, que desponta como nova rota gastronômica da cidade.

As belezas da região da Lagoa da Conceição e das praias do Leste da ilha são as preferidas dos surfistas. As dunas da Praia da Joaquina são ideais para a prática de sandboard, ou surfe na areia. A Praia Mole também merece uma visita – é possível tirar belas fotos no mirante que fica no caminho para a Barra da Lagoa.

Costa da Lagoa


Antes que a fome comece a bater, contorne a Lagoa da Conceição por baixo e rume para o Canto dos Araçás, que fica ao final da Rua João Henrique Gonçalves: você estará no início da Trilha da Costa da Lagoa, acessível só pela mata ou pelo mar. O caminho demora cerca de duas horas para ser percorrido, mas o trajeto pela Mata Atlântica é bem sinalizado e cheio de atrações – há cachoeira, um antigo engenho de farinha, além de aves e até macaquinhos que habitam a região.

Ao final da trilha, você encontrará um lugar pitoresco, onde a gastronomia local é o grande destaque. Ali você poderá degustar a famosa sequência de camarão (a iguaria é servida de de diversas formas: à milanesa, à dorê, ao alho e óleo...) ou uma anchova assada na brasa. Para voltar, é possível pegar um barquinho de volta para o “centrinho” da Lagoa.

Se estiver no pique, volte para a Barra da Lagoa e conheça o Projeto Tamar, dedicado à preservação das tartarugas marinhas. À noitinha, a Lagoa da Conceição dá lugar a uma vida noturna intensa – o "centrinho" da Lagoa e a Avenida das Rendeiras são repletos de bares, restaurantes e casas noturnas.

Escunas


Uma maneira de conhecer melhor a história catarinense sem perder o mar de vista é contratar um passeio de escuna, que passa por ilhas e fortalezas da região. Em julho, elas continuam operando, com exceção das segundas e quartas-feiras. Há saídas do centro, ao lado da Ponte Hercílio Luz, e de Canasvieiras, no Norte, ao lado do trapiche, mais à direita da praia, onde funciona uma associação que reúne as empresas locais. Se decidir partir de Canasvieiras, é recomendável adquirir o ingresso com antecedência, na própria associação ou nos quiosques.

A escuna costeia a orla de Canasvieiras, Jurerê e Daniela, com visão panorâmica do Forte de São José da Ponta Grossa. O barco faz uma parada na Fortaleza de Anhatomirim, principal fortificação do antigo sistema defensivo da Ilha de Santa Catarina, erguida a partir de 1739 pelos portugueses para proteger a região de ataques, principalmente de espanhóis.

Para visitar a Ilha de Anhatomirim é preciso pagar uma taxa para a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Os passeios costumam dar a opção de almoçar em Governador Celso Ramos, mas também é possível levar o próprio lanche. Com sorte, é possível avisar golfinhos durante o passeio pela baía que leva o nome deles. E os mais corajosos podem cair na água na Ilha do Francês.

Terra firme


De volta ao trapiche de Canasvieiras, que tal dar uma volta pelas ruas do bairro? Com forte vocação turística, a região é um reduto de argentinos na ilha – não se assuste se encontrar placas em castelhano. A praia é repleta de restaurantes – com churrascarias que oferecem legítimos bifes de “chorizo” e “asados”.

Outra opção é seguir para a vizinha mais badalada, Jurerê Internacional, onde é possível tomar um banho de mar delicioso – mesmo no inverno, se for um dia de sol. Os clubes de praia abrem aos fins de semana e há uma uma intensa programação de shows e festas, o ano todo.

Natureza


Inaugurada em 2014, a trilha ecológica do Parque Estadual do Rio Vermelho é uma boa opção para começar o dia em contato com a natureza. Ele pode ser acessado pela SC-403, que corre pela direita a Lagoa da Conceição.

A trilha fica aberta de terça a domingo (inclusive em feriados), das 10h às 17h. O passeio é gratuito e acompanhado por um guia do parque, que leva grupos de visitantes por um caminho com grau zero de dificuldade: ele é totalmente acessível a cadeirantes e carrinhos de bebê, e tem até banquinhos para descansar durante as explicações.

É possível ver espécies como macacos, tartarugas, araras – muitas delas vítimas de maus tratos ou de tráfico. A trilha guiada pode ser percorrida em menos de uma hora – há um local destinado para fazer piquenique, ao final. Mas traga seu lanche!

Bem perto do parque fica a entrada para a desértica praia de Moçambique, a mais extensa da ilha, com mais de 7 km. Siga para o Norte e vá até o mirante da Praia Brava, com uma vista privilegiada para a orla, cujos condomínios são bem badalados -  o ex-tenista Gustavo Kuerten, por exemplo, costuma ser visto por lá.

Se quiser passar o resto da tarde relaxando, vá até a vizinha e pacata Lagoinha de Ponta das Canas, uma praia tranquila, de cerca de 1 km de extensão, reduto de pescadores. Com sorte, você pode chegar bem na hora em que eles estiverem “cercando” um cardume de tainhas – peixe típico do inverno em Santa Catarina.

Com rapidez, um grupo pula num barquinho de madeira, enquanto os outros ajudam a puxar a rede. Se não for dia de “arrasto”, é o caso de se sentar em um dos dois ou três restaurantes pé na areia que abrem em dias de tempo bom e deixar o tempo passar sem pressa.

Ainda no Norte, a Praia de Cachoeira do Bom Jesus concentra boas opções para comer à noite.

Tradição


O Sul da ilha, a parte mais bucólica de Florianópolis, que respira a cultura dos colonizadores açorianos. Há opções de passeios de bike. Os passeios duram cerca de 5 horas e contam com o acompanhamento de um guia. É importante verificar se o passeio inclui um carro de apoio, para o caso de alguém ficar cansado. Há a opção de solicitar uma bicicleta elétrica, que não exige tanto esforço físico. O roteiro pelo Sul da ilha costuma incluir uma visita às praias do Campeche e do Morro das Pedras, com visita a um mirante. O trajeto inclui também uma parada na Lagoa do Peri, onde funciona o Projeto Lontra. Nas cinco horas de passeio, dá tempo ainda de almoçar na Praia da Armação e esticar para a Praia do Matadeiro, acessível por trilha.

Se bicicleta for muita aventura para você, um roteiro que inclua a Praia do Campeche e o Morro das Pedras já será um passeio de encher os olhos. Se sobrar tempo, siga ainda mais para o Sul e conheça a pacata Praia do Pântano do Sul, onde é possível degustar uma tainha pescada na hora.

A região mais “manézinha” de Florianópolis é o Ribeirão da Ilha, também no Sul, mas voltada para o continente. Na chamada Freguesia, uma pracinha à beira-mar convida a relaxar e curtir o pôr do sol. E, se for um apreciador de ostras, saiba que está num dos principais pontos de maior cultivo da ilha – que responde por 85% da produção nacional.

Há roteiros guiados que levam até as fazendas de ostras, com degustação ao final. A região, repleta de casarios açorianos, também tem bons restaurantes que servem a iguaria, entre outros frutos do mar.

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Sapiens Parque, no Norte da Ilha de Santa Catarina, sedia reunião de Embaixadores dos Estados Membros da União Europeia

Pela primeira vez Santa Catarina irá sediar a reunião anual dos Embaixadores dos Estados Membros da União Europeia no Brasil. Na segunda e terça, dias 30 e 31 de maio, o encontro trará para Florianópolis 18 representantes diplomáticos, além do Embaixador da União Europeia no Brasil, João Gomes Cravinho. Organizada pela Delegação da União Europeia no Brasil em parceria com o Governo do Estado, a agenda prevê visitas com foco na inovação.

A recepção aos embaixadores, na segunda-feira, 30, a partir das 9h15, contou com a presença do governador Raimundo Colombo, no Sapiens Parque, no Bairro Canasvieiras, em Florianópolis.

Para o governador Colombo o encontro é “um momento de convivência com todos estes embaixadores para uma troca cultural, promovendo um conhecimento geral sobre o Estado, e também incentivando um maior intercâmbio comercial. Temos muito interesse em ampliar nossos negócios no exterior, vender mais e com isso manter e melhorar o nível do emprego interno. Ampliar presença no mercado externo é um caminho importante, uma grande oportunidade diante da crise que vive o mercado interno brasileiro”, afirma.

Segundo o Embaixador da União Europeia no Brasil, João Gomes Cravinho, a União Europeia vê o Brasil como um “país muito próximo e amigo que se enquadra nas parcerias estratégicas”. E o mercado catarinense ganha atenção especial, com destaque para a área de pesquisa e a inovação. “Santa Catarina é um dos estados brasileiros que mais avançam nessas áreas e por isso existem grandes possibilidades de intensificação da ação bilateral nesse campo vital para o desenvolvimento do estado, do Brasil e de nossas relações bilaterais”, avalia Cravinho.

O governador Colombo também valoriza o foco da reunião na inovação. "Santa Catarina tem pouco mais de 1% do território brasileiro. Aqui, principalmente, é preciso criatividade para garantir produtividade e competitividade. E a inovação é o caminho para isso. Um intercâmbio com estes países vai nos permitir aprimorar ainda mais nossas iniciativas nesta direção”, acrescenta.
Para o secretário de Estado de Assuntos Internacionais, Carlos Adauto Virmond, Santa Catarina tem potencial para se tornar a porta de entrada de investimentos europeus no Brasil. “Estamos muito felizes com a escolha de Santa Catarina pela delegação para sediar este encontro que irá coroar o bom relacionamento que temos com a União Europeia há décadas e abrir-nos pontes entre SC e os Estados Membros do bloco, tanto pelas relações comerciais e pelas cooperações já existentes em diversas áreas, quanto pelos elos culturais devidos aos imigrantes europeus”.

Inovação e cooperação


A reunião terá início durante a visita dos Embaixadores no Sapiens Parque, no Norte de Florianópolis. Como parque de inovação, o Sapiens foi concebido para ser referência em inovação, pesquisa, tecnologia e sustentabilidade. “A decisão do grupo em iniciar este encontro fundamental para as relações internacionais entre Santa Catarina e Europa a partir do Sapiens Parque é um motivo de orgulho e um atestado de que já somos reconhecidos como uma referência de projeto de inovação e empreendedorismo. É resultado de parceria entre governo, setor empresarial, universidades e instituições da sociedade civil”, afirma o diretor executivo do parque, José Eduardo Fiates.

Iniciativas que integram o Programa Catarinense de Inovação (PCI) também serão apresentadas aos embaixadores. Destaque para a construção de 13 Centros de Inovação em diferentes regiões do Estado e o programa Geração TEC. 

Os 13 Centros de Inovação serão construídos nas seguintes cidades: Lages, cuja inauguração será no próximo mês; Jaraguá do Sul, São Bento do Sul, Tubarão, Chapecó e Joaçaba, com obras em torno de 60% concluídas; Itajaí, com 17%, e Blumenau, que está no início das obras; Brusque e Criciúma, que serão licitados em breve; e ainda, Rio do Sul, Florianópolis e Joinville. Os centros abrigarão aceleradoras de empresas, incubadora, laboratórios de pesquisa, de capacitação e de consultoria para novos negócios. São espaços criados para estimular o crescimento e competitividade das empresas catarinenses, unindo as instituições de ensino, empresas e Governo.

Já o Geração TEC é um programa criado em 2011 para a oferta de cursos gratuitos de curta duração, descobrindo talentos para o mundo da tecnologia e fortalecendo as empresas do Estado. Já foram formados 6.156 alunos em mais de 200 turmas.

A Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação (Fapesc) também receberá a visita dos embaixadores. De acordo com o presidente da Fapesc, Sergio Gargioni, em ações conjuntas com a União Europeia, a Fapesc divulgou em abril uma chamada pública pela qual serão apoiadas pesquisas sobre o Zika vírus, além de fechar acordo com o programa Horizonte 2020 para financiamento de pesquisas. “O programa prevê desembolsar, aproximadamente, 80 milhões de euros até 2020 para projetos colaborativos de pesquisa e inovação com países da União Europeia”, explica Gargioni.

Comércio exterior


No comércio exterior, as relações de Santa Catarina com os Estados Membros da União Europeia são significativas. Entre os blocos econômicos, a União Europeia é o principal parceiro comercial do Estado. Mas a balança comercial apresentou um resultado negativo para os catarinenses de R$ 610 milhões no ano passado. Em 2015, foram exportados R$ 1,477 bilhão em produtos para os 28 países do bloco. Já as importações somaram cerca de R$ 2,087 bilhões, número superado apenas pelo volume importado da China. “Vemos na reunião da União Europeia uma grande oportunidade para mostramos os potenciais de Santa Catarina e buscarmos o equilíbrio da balança comercial ao longo dos próximos anos”, diz o secretário Virmond.

A agroindústria domina metade da pauta das exportações, com a venda de fumo, frango, peixe e outras carnes. A venda de máquinas e instrumentos mecânicos e elétricos vem em seguida. Produtos à base de madeira, móveis, automóveis, tratores e autopeças, e produtos químicos também estão os principais produtos vendidos para o bloco. Do lado das importações, maquinários mecânicos e elétricos e derivados, juntos, representam quase 30% do total importado.

terça-feira, 17 de maio de 2016

Imóvel novo? Veja se vale esperar o desfecho do impeachment

Algumas pessoas têm adiado o sonho de comprar a casa própria na expectativa de que a renda irá melhorar se houver impeachment ou que os preços podem cair se a presidente Dilma Rousseff continuar. Mas, se você tem dinheiro guardado para pagar o financiamento, essa não é a melhor estratégia. Comprar o imóvel o quanto antes pode ser mais inteligente.

Uma pesquisa nacional, feita pelo portal imobiliário Viva Real na semana seguinte à aprovação do processo de impeachment na Câmara dos Deputados, mostrou que 45% dos consumidores que procuram imóveis tiveram sua decisão influenciada pela atual situação política. Entre eles, 63% decidiram empurrar a compra mais para frente.

“Era esperado que a resposta fosse essa, porque as pessoas se sentem desprotegidas”, explica Lucas Vargas, CEO do Viva Real. Mas adiar o fechamento do negócio pode ser uma furada, já que, com a demanda em baixa, basta um pouco de paciência para conseguir preços e condições melhores.

“Esse cenário de incertezas não vai mudar imediatamente e, no longo prazo, quando a economia se recuperar, os preços subirão muito”, projeta Vargas.


Preços dos imóveis estão em queda real


O preço dos imóveis subiu apenas 0,53% nos últimos 12 meses até março, segundo o Índice FipeZap, que mostra a variação nos valores médios do metro quadrado de 20 cidades brasileiras. O aumento ficou muito abaixo da inflação medida pelo IPCA, que foi de 9,5% no período, de acordo com o Banco Central. Ou seja, descontando a inflação, houve queda real dos preços de 8,10%.

“O poder de barganha está na mão do comprador e ele deve usar isso a seu favor”, sugere o economista Bruno Oliva, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Ele explica que o preço dos imóveis só deve voltar a subir com força em 2018 ou depois, quando o desemprego cair e a renda voltar a subir. “Diferentemente do mercado financeiro, o mercado imobiliário é como um transatlântico. É lento, demora para mudar de rumo”, diz Oliva.


Antes do impeachment, compradores estão em vantagem


O especialista em crédito imobiliário Marcelo Prata, fundador do Canal do Crédito, diz que o mercado imobiliário é como um cabo de guerra entre compradores e vendedores, e que a incertezas sobre o impeachment favorecem quem está na ponta da demanda. “Ao oferecer um valor mais baixo, o vendedor tende a aceitar a proposta. Ele não sabe o que vai acontecer depois que o processo de impeachment acabar e tem receio de que o comprador desista”, afirma Prata.

Se houver ou não impeachment, esse cenário do mercado imobiliário deve se manter. No entanto, na opinião de Prata, se o vice-presidente Michel Temer assumir o governo, a confiança dos consumidores será retomada em pouco tempo, o que tende a acelerar a compra de imóveis e, consequentemente, o aumento dos preços.

Essa também é a expectativa de Flavio Mary, presidente do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP). “Acreditamos que uma mudança no governo trará um novo ritmo de confiança e o mercado imobiliário tende a se recuperar”, diz. Por outro lado, a melhora na economia significa valorização dos preços. “Quem comprar antes leva vantagem”, acredita.


Não desista por causa das taxas de juros altas


Mesmo se houver impeachment, as taxas de juros para financiar imóveis devem permanecer altas por, no mínimo, alguns meses, segundo a expectativa dos especialistas. Desde o ano passado, as recorrentes elevações nos juros do crédito imobiliário são resultado do aumento dos saques da poupança, principal fonte de recursos dos bancos para o financiamento de construções e compras de imóveis.

No entanto, não há motivos para se assustar demais com os juros. “Não faz sentido se prender às taxas no longo prazo se os valores baixos dos imóveis compensam os juros altos”, avalia Vargas, do Viva Real. Ele recomenda dar entradas maiores, se for possível, para amenizar o impacto dos juros elevados.

Para Oliva, da Fipe, só quem compra o imóvel para investir deve esperar as taxas de juros baixarem. Se a intenção for comprar o imóvel para moradia e você encontrou uma casa com preço bom, vá em frente. “Mais adiante, dá para fazer a portabilidade. Se os juros caírem, é só transferir o financiamento para um banco que pratique taxas menores ou negociar com o mesmo banco”, sugere Oliva.

O economista lembra que, neste momento de aumento na taxa de desemprego, só quem tem alguma reserva financeira deve entrar no financiamento. Se houver algum risco de demissão, que possa levá-lo a desonrar o pagamento das prestações, é melhor esperar.

Publicado originalmente na seção Seu Dinheiro, da Revista Exame  

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Foto feita na Cachoeira do Bom Jesus, em Florianópolis, ganha prêmio em Nova York

Uma brincadeira pirotécnica feita com uma esponja de aço em chamas foi o tema da fotografia feita pelo carioca Hermes Bezerra, 44 anos, morador da capital catarinense há 21 anos, que venceu um concurso promovido em Nova York, nos Estados Unidos

A imagem foi capturada em agosto de 2015 num local próximo à casa onde Hermes vive com a mulher e dois filhos na bela Praia da Cachoeira do Bom Jesus, no Norte da Ilha de Santa Catarina, e concorreu com outros cinco finalistas: da Eslovênia, Estados Unidos, Egito, Índia e Inglaterra. O concurso, Duggal Capture The Moment Photo Contest 2016, é promovido pela empresa americana de laboratórios fotográficos e impressão de imagens, Duggal Visual Solutions. Pela conquista Hermes Bezerra receberá U$500 em prêmios, um certificado, sua foto impressa em alta resolução, e um lugar na prestigiada galeria da Duggal, em Nova York, para expor sua fotografia vencedora.

Este foi o sétimo prêmio da carreira de 23 anos. Além de fotojornalista no Diário Catarinense, Hermes trabalhou também com publicidade e gastronomia mas considera que fotografia documental é seu forte. Sobre a fotografia premiada diz: "Saímos pra brincar, eu meu irmão, minha sobrinha e filho, daí levei meu tripé e câmara pra fazer umas fotos, mas nada já pensando no concurso, ainda nem sabia sobre ele", e conclui: "saiu o resultado e eu fiquei muito surpreso, nem lembrava mais, não estava esperando".